PS

PS

SEGUIDORES

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Termas de Arapey





Incidente


Pela manhã do penúltimo dia no Uruguai, saímos de Salto em direção a Arapey.


Já conhecíamos a carreteira, bela e bem conservada.


Andamos quando muito meia hora, e em um longo declive avistamos uma caminhonete da polícia uruguaia, e vimos que o patrulheiro dirigiu-se para o leito da pista sinalizando nossa parada.


Ao me aproximar fui logo para o acostamento para ver o que o patrulheiro queria.


O mesmo após educadamente cumprimentar-nos, pergunto afirmativamente se nós éramos brasileiros.


Sim respondi ao policial.


O mesmo então me alertou que eu andava com os faróis apagados e lembrou-me que no Uruguai diferentemente do Brasil é obrigado o uso dos faróis mesmo durante o dia.


Realmente, disse ao policial, que sabia. Depois de viajar dias dentro do Uruguai, exatamente quanto estamos rumando para a fronteira fui esquecer deste detalhe.


Sem problemas disse o educado policial, podem seguir viagem, porém não se esqueçam dos faróis.


E lá fomos nós após nos despedir do Patrulheiro Da Rosa.


Andamos quando muito dois quilômetros e uma pedra sobre o asfalto foi o bastante para furar o pneu traseiro esquerdo. Lembrando que há um mês troquei todos os cinco pneus.


Ufa, parei o carro, tirei a bagagem do porta malas, suei pra caramba, e finalmente, após um bom tempo, quando já apertava as porcas da roda, vi um caminhão uruguaio em sentido contrário dando sinal de luz e sinalizando que iria encostar.


Sinalizei ao motorista que já estava tudo pronto. Esse sorrindo abanou e segui sua viagem rumo a Salto.


Coloquei a bagagem no porta malas e seguimos em direção a Arapey, onde já na entrada deixei o pneu em uma gomeria para ser consertado.


Lembrem-se. No Uruguai é obrigatório ligar os faróis quando se está em uma estrada, mesmo durante o dia e que gomeria é borracharia.


Arapey é um lugar paradisíaco, bom em qualquer época do ano. Para quem gosta de sossego o melhor é fora da temporada. Há hotéis e casas de veraneio.


O Hotel é belíssimo, as piscinas são de água limpíssimas e o lugar é de uma beleza e paz fora do comum.






Encontramos essas três menininhas estudantes de um escola pública de Artigas, Camila, Belén e Mikaela e com elas entabulamos uma conversa dizendo que éramos maestros jubilados (professores aposentados) de Brasil e aos poucos outras crianças foram se juntando e querendo saber sobre o Brasil, sobre Neymar e tudo mais.


 O grupo de crianças a nossa volta foi tão grande e as perguntas e histórias eram tantas que não consegui mais tirar nenhuma foto, e vieram as professoras, um professor de educação física, e todos a nossa volta numa alegria e interesse sem igual.

Depois de algum tempo os professores despediram-se dizendo que estavam indo para o museu a céu aberto e que não podiam mais ficar. 

As crianças, tanto as menininhas quando os meninos se despediram tanto de Sandra quanto de mim com beijos.

Lindos, lindos, lidos.Bem difertente dos nossos meninos que são educados para serem machistas, truculentos e distantes. Pude observar o que não pé de hoje, que tanto na Argentina como no Uruguai, o beijo é usado indiscriminadamente por mulheres e homens. Assisti uma cena inusitada em Colonia, onde um motoqueiro de seus vinte anos ao encontrar um amigo parou a moto e se cumprimentaram com um beijo no rosto, e nem por isto deixam de ser homens.  É uma questão puramente cultural.

E ficamos comparando as duas realidades. O uruguaios são educados, gentis, orgulhosos de seu país, esmeradamente civilizados e gentis, já as nossas crianças, (pelo menos a maioria), são grosseiras, deseducadas, brutas, bagunceiras, beirando a selvageria, culpa de famílias desestruturadas, onde os pais deixaram de ter autoridade, onde os pais acham bonitinho o filho ser um maloqueiro. Ao ponto de assistirmos nos noticiários que alunos de 6 e 7 anos tentaram matar sua professora colocando chumbinho (veneno de rato) no recheio de bolachas que ofereceram e foram comidas por sua professora. Beleza. Bando de brutos e delinquentes já nesta idade.












Encontramos na hora do almoço esses dois Pedros, o de camiseta azul é Pedro Mendes uruguaio que mora há 40 anos em Passo Fundo, o de camisa vermelha é brasileiro, o Pedro Padilha, viajam em suas motocicletas. Gentis e educados, conversamos por largo tempo, e volta e meia pegam suas motos e saem pelo mundo a passear. O Pedro de azul conhece quase todo o mundo, fazendo viagens de navio ou avião pela América e Europa, além de outros continentes.


Na tarde do dia seguinte foi hora de pagar as contas e seguir viagem rumo ao Brasil, deixando atrás o hotel, deixando para trás muitas coisas bonitas e levando lindas recordações desse pequeno e belo país que é o Uruguai.

E lá vamos nós rumo a Bella Unión, 


Passamos pela nossa também velha conhecida Bella Unión, que ganhou até um belo shopping e adentramos ao Brasil pela Barra do Quaraí, município novo, emancipado de Uruguaiana.

Ao lado vemos a antiga ponte de ferro feita na Inglaterra e trazida para cá, para ligar o Brasil ao Uruguai, servindo principalmente o Saladeiro (Matador) da Barra do Quarahin, aonde dom Pio Aurélio de los Santos, avô paterno de Sandra foi seu último capataz, pois esse Saladeiro fechou suas portas em 1930, após a Quinta-feira Negra de Nova Iorque.

Nenhum comentário:

Postar um comentário