PS

PS

SEGUIDORES

sábado, 4 de outubro de 2014

Francisco Ribeiro da Silva



Francisco Ribeiro da Silva – Doutor Chico.

Era uma figura extraordinária que todos com carinho chamavam de Doutor Chico ou Chico Louco.


Doutor Chico Louco, assim ele mesmo se apresentava.


Doutor Chico foi um médico que fez história na cidade de Pelotas, um excelente profissional, humano e folclórico, que hoje empresta o seu nome a uma das ruas da Princesa do Sul.


Professor Universitário, um médico como poucos, um gênio como pouquíssimos, um ser humano único.


Certa vez em 1969, fui até seu consultório, pois vinha há meses em crises devido a cálculos renais.


Estava na sala de espera sozinho enquanto Doutor Chico atendia com a porta do consultório fechada. Era em uma antiga casa cujo acesso era franco, pois nem secretária havia.


De repente a porta se abriu e dela um velho casal de negros, mas bem negros saiu. Logo após chegou à porta o carismático Doutor Chico, momento em que o senhor, já de cabelos brancos, virou-se com a carteira de dinheiro na mão e perguntou ao Doutor quanto ficara a consulta.


Rapidamente Doutor Chico tirou a carteira da mão do cidadão e abriu-a e examinou o seu conteúdo.


Devolveu a carteira e disse ao velho senhor:

- Tá mal o negócio!


O homem sem jeito ficou observando o Médico, enquanto Doutor Chico enfiava a mão no bolso de sua calça marrom claro e desse tirou um maço de notas.


Pegou uma nota de dez cruzeiros (cruzeiros novos) e disse ao velho senhor:

- Ponha isto aí na tua carteira e vá comprar lá no Mercado uma ou duas belas galinhas para fazer uma canja das boas para tua velha. Ela precisa ser bem alimentada. Não precisa de remédios.

O homem embasbacado não sabia o que fazer, mas Doutor Chico tomou-lhe novamente a carteira de suas mãos e nela enfiou aquela nota, bateu-lhe no ombro dando ao casal um até logo, alegre e sorridente.


Foi-se o casal e aí fui então atendido.


Ao entrar em seu consultório fiquei observando tudo. Pelo chão havia uma montanha de caixas de remédios jogadas em um canto, amostra grátis que ele distribuía para os pacientes, além de espingardas, revólveres, facas e outras tralhas, tudo jogado e empoeirado.


Sua mesa era uma balbúrdia. De armas velhas a caixas de remédios, revistas e jornais. Uma bagunça total.


Transitava por cima daquilo tudo sem em nada esbarrar com os seus sapatinhos 44 ou 45.


Dentre aquelas centenas de caixas de remédios ele tirou uma e me disse, enquanto que com a ponta do pé juntava algumas caixas que haviam se apartado da montanha no canto do consultório:

- Tome isto aqui que vai te aliviar as dores até tu expelires essas pedras. Elas sairão naturalmente.

Paguei-lhe a consulta que era também dez cruzeiros.


Deu-me um abraço, perguntou pelos meus pais com quem se dava há muitos anos e eu fui folheirito e por um bom tempo não tive mais as crises renais.


Muitas histórias contavam desse Médico fascinante, como não se faz mais.


Certa vez, contavam que ele ia pela Rua 15 de Novembro, no centro da cidade, com um forte torcicolo que não lhe permitia mexer a cabeça.


Alguém que passava pela outra calçada disse:

- Bom dia, Doutor Chico.

Instintivamente virou a cabeça para cumprimentar a pessoa que rapidamente havia passado e seu pescoço travou em violenta dor.


Paralisado ficou e aos poucos se aproximou de um poste de iluminação pública, nesse se agarrando.


Lá pelas tanta vinha um senhor pela mesma calçada e ele chamou o cidadão sem poder levantar a cabeça de tanta dor no pescoço.


Quando o cidadão, que não o conhecia, meio desconfiado se aproximou, ele disse ao homem para segurar firme sua cabeça, puxar para cima com força e torcer rapidamente para os dois lados.


O cidadão sem entender não se atreveu a fazer, aí Doutor Chico, que continuava agarrado ao poste, foi impositivo.

- Ou tu fazes o que te peço ou te meto uma bala.

O homem apavorado fez conforme ele mandara.


Ai! Alívio.


Agradeceu ao homem, identificou-se como Doutor Chico Louco, conversou um pouco e foi-se rua a fora. Só que agora aliviado da dor.


O cidadão foi-se em sentido contrário mais apavorado ainda, mas feliz por ter conhecido e ajudado o DOUTOR CHICO LOUCO.


Grande Doutor Chico.


Sábio Doutor.


Humano e fraterno.


Pessoas assim não deviam morrer, pois com tanta droga de gente por aí, por que logo o Doutor Chico Louco teve que falecer.



30 comentários:

  1. Alá Lô.
    Privilégio imenso em tê-la visitando meu blogue.
    Realmente, doutor Chico foi uma verdadeira e pura celebridade, não só pelo folclorismo que deixou impregnado na história de Pelotas, como pela sua importância como Professor, Médico e Cidadão.
    Uma pessoa ímpar.
    Respeitosamente.
    Prof. Pedro.

    ResponderExcluir
  2. Tive a oportunidade de trabalhar com o Dr.Fábio, filho do Dr.Chico, o mesmo jeitão do pai! Realmente pessoas assim não deveriam morrer! Juliana Azevedo

    ResponderExcluir
  3. Olá caríssima Juliana Azevedo.
    Não conheci o Dr. Fábio, mas conheci bem o seu pai, o exemplar Dr. Chico. A última vez que o encontrei foi na Farmácia Kautz, momento em que ele conheceu minha esposa e com nós por um bom tempo conversou. Grande cidadão, exemplo de profissional, um homem que ficará para sempre na história de Pelotas.
    Obrigado pela visita a meu blog.
    Com respeito e carinho.
    Prof. Pedro.

    ResponderExcluir
  4. Louco somos nós que não chegamos nem perto do ser humano excepcional que ele foi, que não chegamos nem perto da alegria de viver que compartilhava, e além de tudo, ele foi um excelente médico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Franco.
      Digo apenas Franco pois este é o nome de meu filho mais velho.
      Caríssimo concordo plenamente com a tua colocação. Loucos somo nós, que não tivemos o privilégio de ser um pouquinho parecidos com o Doutor Chico. Um exemplo de cidadão e mais do que excelente médico. Um médico sem igual, verdadeiro, competente, sincero, honesto e de uma inteligência sem igual, a tal ponto de se dizer louco por estar na verdade cercado de loucos que não entendiam o seu mundo puro, límpido, alegre e com certeza feliz.
      Curvo-me sempre diante a estatura moral deste médico ímpar. Deste exemplo de cidadão.
      Privilégio imenso em tê-lo em meu blogue.

      Respeitosamente,
      Prof. Pedro.

      Excluir
  5. Não sei quantos afilhados ele teve, deve ter tido muitos e eu também tive o previlégio de te-lo como PADRINHO, meu nome é Mario Eduardo Panyagua, sou filho do Capitão Ulpiano Panyagua, que também deixou seu nome gravado na Histótia do R.G.S e de Leonor Rohnelt Panyagua. O padrinho e meus pais eram amigos, daí a razão da escolha, para que junto do meu irmão Jorge Panyagua, assumise tal responsabilidade que foi cumprida ao pé da letra. O padrinho Chico, foi um grande exemplo a ser seguido independente de ter sido aquele Dindo presente, querido e amigo e eu FELIZ POR TE-LO EM MEU CONVIVIO E HOJE PERMANECENDO EM MINHAS RECORDAÇÕES.

    ResponderExcluir
  6. Não sei quantos afilhados ele teve, deve ter tido muitos e eu também tive o previlégio de te-lo como PADRINHO, meu nome é Mario Eduardo Panyagua, sou filho do Capitão Ulpiano Panyagua, que também deixou seu nome gravado na Histótia do R.G.S e de Leonor Rohnelt Panyagua. O padrinho e meus pais eram amigos, daí a razão da escolha, para que junto do meu irmão Jorge Panyagua, assumise tal responsabilidade que foi cumprida ao pé da letra. O padrinho Chico, foi um grande exemplo a ser seguido independente de ter sido aquele Dindo presente, querido e amigo e eu FELIZ POR TE-LO EM MEU CONVIVIO E HOJE PERMANECENDO EM MINHAS RECORDAÇÕES.

    ResponderExcluir
  7. Olá Mário Pany
    .
    Obrigado por estar em meu blogue, sinto-me honrado,

    Não vou dizer que sinto ciumes por não ter o Doutor Chico como padrinho, pois tive também um exemplar padrinho, o Capitão Frederico Schwanz, mas me sentiria honradíssimo se fosse dele afilhado. Um homem como poucos, que sempre quando nos encontrávamos não faltava aquele abraço sincero e amigo. Sempre falo para meus filhos do caráter sem igual deste cidadão pelotense e a eles cito como exemplo de dedicação e honradez.
    Se todos fossem como ele o mundo seria bem diferente. Onde viver não seria uma aventura tão perigosa e sim um mundo de paz, harmonia e alegria.
    Com elevado respeito.
    Prof. Pedro.



    Removi o meu comentário acima por ter encontrado após sua publicação três pequenos erros de digitação.

    ResponderExcluir
  8. Fernando Medvedovski4 de maio de 2015 21:19

    Conheci o Dr. Chico pois era colega de meu pai Miguel e eu colega no Assis Brasil da sua filha Denise.
    Lembro de um poster que ele tinha no corredor de entrada da sua casa, que era uma foto do sua igual à do blog porém com os olhos fechados. Ele colocara o poster com a foto na horizontal e dizia que estava dormindo.
    Seu Jeep era algo folclórico com escapamento aberto, se sabia de longe quando ele estava chegando.
    Boas e velhas lembranças.
    Parabéns pela homenagem!
    Fernando

    ResponderExcluir
  9. Olá caríssimo Fernando.
    Alegre e honrado com sua visita fiquei.
    Assim como com o seu comentário que me fez lembrar do espetacular Jeep.
    Algumas palavras nos deixam emocionados, e eu fiquei muitíssimo emocionado, ao ler, entender o carinho que as pessoas nutriam por este extraordinário médico e acho que homenagear o Doutor Chico é o mínimo que um cidadão pode fazer. Realmente tratava-se de uma pessoa de elevada moral, carismático, folclórico e acima de tudo, parte da história de nossa cidade.
    Quanto ao Jeep, "era algo". Certa manhã, perto do meio-dia estava no café Aquário, e o Doutor Chico ao passar com seu "espetacular" Jeep, viu alguém conhecido na esquina e parou sua "viatura" no meio da estreita Rua 15, quase entre o cruzamento com a Rua 7, e desceu e foi conversar com essa pessoa. Três ou quatro carros pararam atrás do Jepp e não tinham como passar, e ele "tranquilito" falou com a pessoa, depois de algum tempo voltou para o seu Jeep gesticulou em gracejou com as pessoas dos carros que estavam embretados, entrou rindo e se foi feliz da vida com seu potente motor roncando.
    Na esquina todos ficaram rindo e mesmo os motoristas dos carros embretados ao ver que era o Doutor Chico levaram na esportiva e nada disseram.
    Todos o respeitavam por ter um coração puro, grande e sempre jovial.
    Respeitosamente agradeço sua visita.
    Prof. Pedro

    ResponderExcluir
  10. Adorei a homenagem ao Dr. Chico, tenho lembranças muito boas sobre ele. Foi médico de minha família por muitas gerações. Quando eu já estava no final da adolescência fui a uma consulta e ele, percebendo que eu havia ganho muitos quilos nessa fase da vida e, conhecendo a história da família paterna lascou: pois então tu, em vez de puxar a fina e elegante da tua mãe, foi sair ao curto e grosso do teu pai. ..enquanto questionava e aconselhava meus hábitos alimentares e de exercícios físicos e me fez prometer que eu sempre seria ativa fisicamente. Sempre muito direto sem deixar de ser atencioso e carinhoso, ao saber que eu estava iniciando a faculdade de medicina, brindou- me com uma fórmula que costumava receitar para tratamento adjuvante ao antibiótico em casos de amigdalite bacteriana. Grande admiração e carinho sempre sinto ao lembrar dele! Abraços, Valeria Barbosa

    ResponderExcluir
  11. Olá Valéria Barbosa.
    Valéria de "Valere", que significa aquele que é saudável e cheio de saúde.
    Barbosa, minha avó materna era Barbosa, Camila Barbosa, a vovó Mimosa lá do Capão do Leão.
    Muito feliz fiquei com tuas palavras e honrado em tê-la visitando meu cantinho, que ficará sempre a tua disposição.
    Tudo que possa ser escrito a respeito deste fascinante médico será pouco diante da grandeza de caráter e profissionalismo, aliado a um coração bom, digno, alegre e divertido. Certa vez ele também foi incisivo comigo, mas sua forma muitas vezes direta de dizer as coisa, por partir dele, eram aceitas de pronto sem nenhum ressentimento. Grande homem, grande cidadão, inigualável médico.
    E ao passar às tuas mãos essa fórmula, certamente estava te passando um pouquinho de sua grandeza de verdadeiro profissional, estava passando as tuas mãos um pouco do amor infinito de um paizão de todos os filhos, aquele pai amoroso ou do amigo dedicado. Um amigo que não se esquece, um amigo que guardamos para sempre em nossas lembranças e em nosso coração.
    Com respeito e carinho deixo aqui um grande abraço e espero que essa médica tenha sido inoculada com o vírus da "paixão pela medicina" que Doutor Chico sempre carregou em seu sangue.

    Prof. Pedro

    ResponderExcluir
  12. Conheci o Dr. Chico e consultei com ele, realmente era uma figura muito querida por muita gente, principalmente pelos estudantes da UFPEL, eu trabalhei na gráfica da Ufpel e todos os convites de formaturas, o Dr.Chico era homenagiado, por que atendia os alunos sem cobrar consulta.Ouvi muitas histórias engraçadas dele, só não contarei para não me alongar muito, mas parabenizo o Prof. Pedro pela iniciativa de homenagiar o Dr. Chico Louco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Flávio Quadro.
      Que privilégio ter em meu blogue alguém que conheceu essa maravilhosa pessoa chamada Francisco. Fico imensamente feliz em saber que ainda existem pessoas que respeitam esse exemplo de ser humano, e acho que todas as homenagens que podemos fazer a ele serão poucas se comparadas com a sua grandeza de caráteres, retidão, honestidade e porque não dizer de folclorismo.
      Entendo que podemos homenageá-lo com tudo o que puder dele ser contado, para que não caia no esquecimento, principalmente dos mais jovens, lembrando que somos um país desmemoriado. Por isso ponho meu blogue a tua disposição para contar o que dele saibas, obviamente com os créditos da publicação ao prezado leitor. Fica aberto e a tua disposição.
      Agradeço a visita e desejo uma belíssima semana.
      Att.
      Prof. Pedro.

      Excluir
  13. Esse post é um sucesso professor, postei uma foto dele tempo atrás e tb foi um grande sucesso nos comentários que resolvi juntar as história que contaram lá e vou postar lá no meu blog um dia desses, inclusive com sua história e depois vou agregar mais causas ao tomar conhecimento. Li que ele não gostava de que chamassem-o de Xico louco, será verdade? Sei que existe um livro sobre ele mas infelizmente não chegou até mim. Não constumo postar comentários mas tô sempre "ligadito por cá". Abraço

    ResponderExcluir
  14. Olá Dom Fábio Zündler.
    Fico honrado em ter seu comentário em meu blogue.
    Conheci bem o Doutor Francisco Ribeiro da Silva e lembro-me a última vez que com Ele falei. Foi a noite na Farmácia Kautz no ano de 1977, e ao apresentar minha mulher ao Doutor Chico, para surpresa dela Ele se apresentou como Chico Louco. Portanto acho que jamais ele daria bola para tal apelido, pois Ele mesmo assim se apresentava. É claro que de louco nada tinha, era um homem folclórico, alegre, cheio de vida e não como esses doutorzinhos de hoje cheios de arrogância e soberba. Sei de outras histórias dele, as quais com o tempo publicarei com todo o respeito que Ele merece assim como sua família.
    Doutor Chico foi o cara!
    Um homem sério, honrado e gente como a gente.
    Fábio, um grande abraço e um até breve.

    ResponderExcluir
  15. Claudete Garcez Bergmann3 de maio de 2016 21:42

    Tambem tive a oportunidade de conhecer esta maravilhosa pessoa Dr. Chico Louco. Perdi minha mãe aos doze anos e a partir de então fiquei bastante depressiva e adoentada. Minha tia , que era paciente do Dr. Chico resolveu me levar para uma consulta. Esta pessoa maravilhosa era de uma simplicidade muito grande, expansivo e muito querido por todos,quando adentrava a casa aonde era seu consultorio, com suas chaves na mão, logo no vidro da entrada fazia um barulho anunciando sua chegada. Eis que chega a minha vez de consultar, menina timida e deprimida, entro no consultorio com minha tia, e eis que que o Dr. pega de cima da mesa uma grande pedra e joga minha direção e diz assim : Pega ai menina!!!!Dei um salto!!!Adivinhem!!!ERA UMA PEDRA DE BORRACHA, que inteligentemente ele usou para me fazer rir!!!!Guardo com muito carinho esta pessoa tão querida em meu coração, e conto esta história sempre ao meu filho , marido e amigos, que como eu não tiveram o privilégio de conhecer este ser abençoado!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssima Sra. Claudete Garcez Bergmann.
      Parabéns.
      Estou te parabenizando, pois ter conhecido o Doutor Chico é um grande feito, um grande e inesquecível presente. E este presente que um dia recebeste e que ficará para sempre gravado em sua memória e que fará parte de sua história, sempre deverá ficar vivo, para que as gerações futuras tenham o conhecimento de como uma pessoa pode, pela sua simplicidade e carisma, mudar o mundo.
      Ele, Doutor Chico, foi uma dessas pessoas e que jamais esqueceremos. Eu vivo a falar com meus filhos sobre esse homem invejável, honesto e extremamente profissional. Um exemplo. Um exemplo difícil de encontrar hoje em dia.
      Fico honrado com sua visita e seu comentário e deixo meu blogue a teu inteiro dispor. Serás sempre bem-vinda.
      (Esta história da pedra eu não conhecia, mas passará a fazer parte das incríveis histórias deste exemplar médico).
      Com respeito e carinho.
      Prof. Pedro

      Excluir
  16. Sou neta dele, filha da Denise! Realmente meu avô era fantástico! Um abraço Martha Titze da Silva Soares

    ResponderExcluir
  17. Sou neta dele, filha da Denise! Realmente meu avô era fantástico! Um abraço! Martha Titze da Silva Soares

    ResponderExcluir
  18. Olá! Sou neta dele, filha da Denise! Além de ser humano maravilhoso foi um avô sensacional! Um abraço Martha Titze da Silva Soares

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá caríssima Martha.
      Obrigado pela visita e comentário.
      Ter um amigo como o Doutor Chico foi um grande privilégio. Privilégio de ter conhecido um grande homem, imagino o que é então para uma neta deste fabuloso médico. Seu avô foi um exemplo de profissional, educado, atencioso e extremamente humano, um humanismo que fluía em seu sangue. Eu já passei dos 70 anos, mas enquanto viver ele estará presente em meus pensamentos e o citarei sempre como um VERDADEIRO MÉDICO, aquele médico que curava mais com o seu coração do que com remédios. Fico emocionado em lembrar deste homem verdadeiro, honesto e extremamente educado e gentil. Que sirva sempre de exemplo a todos os profissionais da saúde, que sirva de exemplo a todos os cidadãos.
      Feliz e emocionado deixo aqui um grande abraço à toda família do velo amigo Dr. Chico.
      E para você, Martha, um abraço especial, com muito carinho e respeito.
      Prof. Pedro

      Excluir
  19. Boa tarde, Prof. Pedro
    Preciso de sua ajuda por uma boa causa, mas antes permita que me apresente.
    Meu nome é Athos Minotto Brendler, sou agrônomo formado pela Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel FAEM/UFPEL, no ano de seu centenário, nos idos de 1983.
    Sou natural de Bagé, onde resido em minha propriedade rural.
    Também fui atendido pelo Dr. Chico uma unica vez, também vivenciei este ambiente "bucólico" do seu consultório.
    Cheguei lá "travado", achando que tinha tirado uma vértebra do lugar tamanho dor que estava sentindo, mandou-me sentar na sua maca e antes de me perguntar alguma coisa, me deu um legitimo abraço de urso pelas costas, puxou meu pescoço para cima e torceu minha cabeça para ambos os lados (como pediu que fizessem com ele na rua), foi uma estralação de ossos, mas o alivio foi imediato.
    Após de disse:
    "Para não saíres por aí dizendo que sou charlatão por não ter te receitado nenhum remédio, leva esta amostra grátis, mas não será "necessário".
    Realmente não foi, no outro estava jogando futebol.
    Tinha especial atenção aos alunos da Agronomia, tanto que era homenageado por quase todas as turmas.
    Dizia: "Para mim, aluno da Agronomia tem as "chaves da cadeia", não tem hora para mim".
    Porque da ajuda? Para minha surpresa e ao mesmo tempo satisfação, ao "fuçar" num antiquário em Bagé, me deparo com a placa de seu consultório onde esta estampado:
    "Dr
    RIBEIRO da SILVA
    MEDICO"
    Placa esta em latão grosso, talvez confundida com bronze, não sei, quem sabe tenha sido este o motivo do roubo ou por brincadeira, jamais saberemos.
    Gostaria muito de poder restituí-la a família ou alguma instituíção que abrigue suas recordações.
    Busquei pela internet e achei o seu blog, falando com tanto carinho e apreço sobre o Dr. Chico Louco, daí o motivo de lhe procurar para buscar algum contato em Pelotas.
    Abraço.

    PS: Queria inserir uma foto dela, mas não fazer por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo Athos.
      Cheguei hoje de Pelotas onde passei cinco dias movimentados e fiquei muito honrado com sua visita e comentário que veio enriquecer meu blogue com tão concreto relato a respeito deste homem extraordinário, pelo qual sempre nutri grande afeição e carinho. Dr. Chico foi um marco na história de Pelotas e o relato que fizeste mostra bem como era esse médico, humano, capaz e a frente de seu tempo.
      Logo acima de seu comentário tenho uma pista que poderíamos explorar para tentar encontrar a família desse Médico ímpar, um comentário de sua neta de nome Martha Titze da Silva Soares, filha de Denise. Pesquisei na internet e achei alguma coisa sobre ela e no Face aprece uma MARTHA TITZE, de Pelotas, porém não posso precisar se é a mesma, mas acho tratar-se da mesma pessoa devido ao nome que não é comum.
      In box mandei uma mensagem a referida neta de doutor Chico, é a pista mais próxima que tenho, se for ela mesma acho que entrará em contato com o caríssimo senhor.
      Honradíssimo com sua visita deixo meu blogue a sua disposição. Tenha um belo 2017, cheio de alegria e saúde.
      Faço um especial pedido, se puderes mande-me a foto desta placa pelo meu E-mail - decastroteixeira@hotmail.com
      Fraterno abraço.

      Excluir
  20. Eu também gostaria de deixar um comentário. Sabe eu fui a primeira paciente do DR. Chico, ele se formou em novembro de 1944 e eu nasci em dezembro de 1944. Quando ele faleceu abriram um arquivo e encontraram o meu prontuário . No livro que conta a vida do Dr. eu fui homenageada com o exemplar número 1 . No livro confirma meu depoimento eu sei de muitas historias , ele nunca me cobrou consulta eu consultava pelo telefone , cuidou dos meus filhos e de toda minha família, sinto muita falta dele, um abraço.

    ResponderExcluir
  21. Caríssima leitora.
    Fico extremamente honrado com seu comentário, histórico e que nos leva a uma reflexão maior sobre esse extraordinário médio e um ser humano incomparável. És o testemunho vivo deste homem que não só fez história, como inoculou as pessoas o carinho, respeito e o verdadeiro espírito da medicina. Sempre tive no Doutor Chico uma respeito muito grande, pois desde menino, não só ouvia falar nele como em outras oportunidades me tratou. Tens um verdadeiro tesouro histórico e humano nas mãos, tenho a certeza que o cuidarás com carinho. Amável e cordial leitora, que teus passos sejam sempre seguros em tua caminhada sobre a Terra e que a saúde, a alegria e a felicidade sejam constantes em sua vida. Com respeito e admiração agradeço tão importante comentário que enriquece este meu espaço, que continua aberto a comentários tão gentis e verdadeiros. Com respeito um abraço.

    ResponderExcluir
  22. Olá professor, interessantíssimo seu Blog, assuntos dos mais variados, estou amando. Quanto ao caso do Dr. Chico, gostei demais, parece que este tipo de médico desapareceu, quando jóvem, morando em Esteio, tínhamos várias pessoas e eu um abençoado assim também. Eu era bancária no Sulbanco, então e os demais colegas não pagávamos consulta. Dr. Oseas Vieira da Cunha, falava:Vocês ganham muito mal. Eu vibro quando encontro uma pessoa humanitária, pois o narcisismo tá muito grande, solidariedade é rara.
    Agora que lí que o Sr. é de Pelotas, o Hugo Vieira da Cunha da Berola da Bento é meu parente, provável que conheças. Até outra hora. Prosseguirei lendo tão maravilhoso Blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Marta, caríssima leitora e comentadora de meu espaço. Sempre uma grande honra e desejo que tenhas um belíssimo fim de semana, que se aprochega a galopito, sem levantar polvadeira.
      Caríssima Marta, Doutor Chico, com quem ficava muitas e muitas vezes na esquina do Café Aquário, na Rua XV, em Pelotas, conversando e contando “causos”, era um homem simples, alegre e por suas brincadeiras extravagantes o chamavam carinhosamente de Chico Louco, o que de louco não tinha nada e sim de um humanismo que extravasava seu coração. Homem alegre, honesto e extremamente solidário, principalmente com os mais pobres e excluídos. Médicos, que como dizes, desapareceram. Quanto ao Dr. Oséas, que como o Dr. Chico empresta seu nome a uma Rua da Cidade, no caso de Oséas à cidade de Esteio, pois foi um que batalhou muito pela emancipação do Município. Fico feliz em saber que histórias semelhantes se entrelaçam e gostaria muito que o mundo fosse diferente, sem essa arrogância de muitos, pois não custa nada ser gentil e educado. Para mim não há invisíveis, pois do General ao Soldado, do Prefeito ao Gari, eu manifesto o mesmo tratamento. Costumo ouvir quase todos os dias a Música do português Zeca Afonso, GRÂNDOLA, VILA MORENA, aonde ele diz – Em cada esquina um amigo. Em cada rosto a igualdade. Grândola Vila Morena, terra da fraternidade. - Saí de Pelotas há quase cinquenta anos, mas costumo ir três ou quatro vezes por anos rever minha terra natal, aonde os amigos estão rareando, tendo perdido há poucos meses um grande e velho amigo chamado Vital Porep da Silva, que entrou para a família lá no ano de 1953. Saudades. Também fico com o coração estreleiro em saber que és parente do Berola, pois não vou à Pelotas sem pegar um estoque de doces em sua loja e trago e distribuo para minha filha, também professora, meus dois filhos, noras e neto, assim como deixo meu refrigerador abarrotado de tão deliciosas guloseimas. Outrossim, estou hoje aposentado por dois Município, sendo um deles a nossa querida Esteio.
      Prezada leitora Marta, sempre é uma honra ler teus tão bem-vindos comentários o que almejo continues a fazer. Desejo que o Sol renove tuas boas energias, que a Lua embale em paz tuas noites, que a chuva lave teus caminhos e que o vento livre de obstáculos teu caminhar resoluto sobre a Terra. Um fraterno quebra-costelas e que tenhas saúde e paz.
      Honradíssimo.

      Excluir