PS

PS

SEGUIDORES

sábado, 22 de outubro de 2016

O CERTEIRO TIRO




Em 1943, corria solta a Guerra na Europa, milhões de vidas eram desgraçadamente ceifadas por conta de um austríaco louco chamado Adolf Hitler, seguido por toda a Alemanha demenciada pela dita pureza de raça. E nesse ano as tropas do Exército Vermelho cercaram e retomaram sua cidade histórica de Stalingrado, um dos maiores feitos realizados contra as forças invasoras alemãs, húngaras, romenas e as vexatórias tropas italianas. A União Soviética mostrava ao mundo que a agressão ao solo de sua Pátria não ficaria sem uma dura punição e consequente destruição do III Reich alemão.

Nesse ano nasceria a 12 de julho meu irmão Joaquim Luís, a alegria para meu pai duraria pouco, mas a levaria no coração, pois neste mesmo mês foi destacado com seu Batalhão de Infantaria para guarnecer o Porto de Rio Grande, onde havia, entre outras coisas, pequenas Refinarias e depósitos da Esso e da Ipiranga. A Companhia Brasileira de Petróleo Ipiranga foi a primeira destilaria do Brasil, fundada em 1934, na cidade de Uruguaiana, no meu Estado do Rio Grande do Sul e que no ano de 1937 instalaria uma Refinaria nesta cidade portuária de Rio Grande, próximo à Pelotas, hoje é a segundo maior empresa do ramo no país, possuindo quase sete mil postos de abastecimento de combustíveis.
Havia a possibilidade, segundo as autoridades de que navios ou submarinos alemães atacassem aquele porto, para darem inicio a uma invasão, já que a “alemoada” aqui em nosso Estado estava toda assanhada e queria ver o circo pegar fogo e transformar o nosso Rio Grande do Sul em enclave alemão na América do Sul, e sonhavam fazer parte do III Reich, com o apoio da Argentina que andava algariada com as ideias fascistas.
E depois muitos reclamam das surras que lavaram aqui dentro de nosso Estado pela Gauchada ofendida por esses traidores da Pátria que os acolheu, e os Gaúchos foram atrás e passaram o relho e o pranchaço nos alemães batatas. Obviamente não foram todos, mas uma boa, grande e desequilibrada parte, que até hoje não se considera brasileira. Muitos são racistas e continuam arrogantes.
Apesar da ausência de meu pai, mamãe, Maria Joaquina de Castro Teixeira, dava conta do recado em criar, mesmo que momentaneamente sozinha dois filhos, sendo um de colo.

Certa noite de agosto, Joaquim Luís, com muitas cólicas custava a pegar no sono, chorando muito. Mamãe, numa época sem recursos em que se curavam dores e doenças a base de chás, nada tinha o que fazer para amenizar as cólicas do filho, a não ser embalá-lo em seus braços, assoviando uma canção de ninar e caminhando quase às escuras, já que havia os tais blackouts, o que na verdade nem precisava, pois o fornecimento de luz era deficitário, uma verdadeira porcaria.

Caminhava desde a sala até a cozinha, num ir e vir contínuo, na tentativa de fazer dormir meu irmão.

Deixou uma lamparina, de luz fraca em uma peça intermediária, e tantas vezes foi e voltou, mas Joaquim Luís não conseguia dormir.

Ao chegar à cozinha, que era uma peça longa e estreita, cujo forro cobria apenas a metade da peça, mamãe ouviu um barulho nas telhas, exatamente onde não havia o forro, parou e observou no escuro o que poderia estar fazendo aquele barulho.

Para sua surpresa e susto viu uma telha sendo deslocada do lugar, pois enxergou o céu estrelado abrir-se a seus olhos.

Com o coração disparando, continuou a assoviar baixo e foi até seu quarto, ao lado da peça em que estava a lamparina. Ao ali chegar, deitou Joaquim Luís em sua cama, abriu a gaveta do criado-mudo, feito de tábuas simples pintados com tinta a óleo de cor rosa, mas ostentando um tampo em mármore rajado branco e rosa e desta retirou um Revólver Royal HB.38, fabricado nos States em 1922, niquelado, que meu pai ganhara em uma rifa no ano de 1936 logo que havia sentado praça no Exército.

Calma e silenciosamente abriu a janela de seu quarto que dava para um pátio interno e desta pode ver a vulto enegrecido pela noite, de cócoras sobre o telhado tirando mais uma telha.
Sem medo, pensou primeiramente em seus dois filhos Ieda de Lourdes de quase quatro anos que dormia tranquila no quarto da frente e do pequeno Joaquim Luís com apenas um mês de vida, e como não havia outra coisa a fazer, levantou o revólver de disparou uma única e certeira vez, derrubando de cima da casa o tal larápio.

Ouviu apenas o barulho de um corpo cair para o outro lado da casa, dentro de nosso pátio, ao lado do Corredor das Bochas, que era uma servidão de passagem que ligava a chácara do Sr. Ricardo Stein e Dona Susana Klomp Stein, à Rua em que morávamos.

Mamãe passou a noite em claro, cuidando dos filhos, mas sem deixar de carregar o revólver em sua destra para todo o lado que fosse.

Ao clarear o dia, ainda com pensamento de todos os tipos em sua cabeça, foi até uma janela lateral, abriu seu postigo e através do vidro deu uma olhada pelas cercanias e nada viu.

Com o revólver bem seguro, lentamente abriu a porta da cozinha e com o coração disparando olhou bem todos os cantos do pátio. Nada vendo saiu para rua, momento em que viu pingos de sangue que iam em direção ao portão que dava acesso a rua. Como o pátio era aberto, cercado apenas por fios de arame farpado, mamãe colocou estrategicamente o revólver sob o casaco para não ser visto por algum dos vizinhos, que certamente ouviram o estampido naquela noite ou algum passante e foi devagar até o portão olhando para o lado onde havia pingo de sangue e nenhum corpo viu pelas cercanias.

O tal larápio além do tombo de mais de três metros e meio, levava uma bala em algum lugar de seu corpo.

Em seguida varreu o pátio, tirando as marcas que haviam ficado.

No mesmo dia, mamãe mandou alguém chamar Vovô Garcia, que morava na época a mais ou menos a uns 120 metros de nossa casa, em uma rua lateral. Esse sempre envolvido com segurança, com a Policia Militar, Civil a Guarda Noturna, não se fez esperar, e próximo ao meio dia daquele mesmo dia foi ver mamãe, que a ele relatou o ocorrido.

Disse então Vovô Garcia que ela não se preocupasse, pois ele passaria na Santa Casa de Misericórdia para ver se alguém baleado havia dado entrada naquele hospital e também iria à Delegacia de Polícia ver se havia alguma ocorrência relativa ao caso.

Não houve nenhum registro de pessoa baleada naquela noite, o que tranquilizou mamãe.

Passado alguns poucos anos, fato contado por minha própria mãe, o Senhor de nome Papaleo, chefe da Guarda Noturna surpreendeu um meliante na mesma tentativa sobre a casa dos padres, uma casa em diagonal com a Catedral São Francisco de Paula.

Essa Catedral surgiu como uma Capela em 1813, por iniciativa do Padre Felício da Costa Pereira, porém somente tomou as configurações atuais em 1947/48, quando foram construídas a Cripta e a grandiosa Cúpula, com o desenho do arquiteto Roberto Offer em 1847 e somente então terminada pelo arquiteto Vitorino Zani e decorada riquissimamente pelo extraordinário e conhecido pintor Aldo Locatelli.

Papaleo atirou e o meliante mortalmente ferido se estatelou dentro de um tanque que ficava ao lado da referida casa. Acionada a polícia o corpo foi recolhido e para a surpresa de todos o larápio, cuja alcunha era “Cadelinha” tinha uma marca antiga de um tiro na lateral da coxa direita, cujo projétil calibre 38 ainda estava meio encravado no fêmur.

Seria o tal meliante que mamãe derrubou de cima de nossa casa?

Nunca saberemos.

Mas como dizem os irresponsáveis “não temos provas, mas temos convicção”.

4 comentários:

  1. Olá, Pedro, estimado amigo!

    Que prazer me deu ler seu texto! Longo, é verdade, mas apelativo e nada cansativo.

    Você soube "misturar", encadear a História com a história, com alguns factos da sua família, de forma perfeita, carinhosa e profissional.

    Bonitas, precisas e sinceras descrições dos acontecimentos, que nos dão ideia de como era sua adorada mamãe, sua valentia, seu pai e seu vovó, bem determinado e correto.

    O Cadelinha acabou por ser assassinado, finalmente. Acho que já merecia!

    As fotos estão excelentes e traduzem bem a estirpe de sua família. Parabéns pela elegância e bons costumes.

    Um cordial abraço e bom resto de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssima amiga Céu.
      Honrado com tuas palavras me quedo feliz. Estou em fase de acabamento de um livro sobre minha família, momentos hilários com uma pitada de melancolia por terem meus troncos mais antigos partido, porém deixarei para meus filhos uma história rica que desde menino aprendi a anotar e guardar em minha memória muitas coisas maravilhosas, ternas, doces e tristes. Acrescentei ao texto uma fotografia de meu saudoso pai, um militar exemplar que amava o que fazia e fazia porque amava fazer. Minha mãe, fera, delicada e destemida fez o que tinha que fazer, sem perder sua graça e sua sensibilidade. Infelizmente Cadelinha foi morto por um policial em serviço, mas escolheu o seu fim.
      Um respeitoso abraço, cá do extremo sul do Brasil, à caríssima amiga e ao povo português.

      Excluir
  2. Dava um bom conto gauchesco, para passar na RBS em dias
    de sábado.
    As mães se transformam, e ela não pensou duas vezes;
    Bela a sua imagem.
    Muito interessante essa mescla de fatos com histórias famíliares; e se falando de alemães tem muita cidadezinha ainda de interior que o povo não faz questão nenhuma de falar o português. Conheço um povo que vai para alemanha todos os anos e não tem coragem de descer a POA; fazer o que né...
    Bom restinho de final de mês que se aproxima.
    Abraços a ti e aos teus.
    janicce.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Janicce.
      Sempre é um grande prazer encontrar-te visitando e comentando meu blogue. Fico imensamente grato. Transcrevi este post de meu livro, ainda sem Título sobre histórias de minha família que pretendo ainda este ano finalizá-lo. São histórias maravilhosas que pretendo com o tempo ir colocando neste blogue como fiz com "O Certeiro Tiro". Inclusive neste livro há uma história sobre as agruras que meu avô paterno e professor passou dando aulas em colônias alemãs, leia o post com o título PENSILVÂNIA, DE 16 DE SETEMBRO DE 2014, cuja última parte é transcrição deste livro.
      Muitos não conseguem aprender mesmo nas mais flagrantes derrotas, temos ainda no Brasil muitos alemães que não querem ser brasileiros.
      Desejo-te muita paz e saúde neste restinho de mês, e também neste resto de ano, mas falaremos neste tempo, obviamente.
      Grande e respeitoso abraço, a ti e a todos e fico com a alegria de ter recebido tão bem-vindo comentário.

      Excluir